20180928220830302.jpg

1 de outubro de 2018by Administrador0

Realizar experimentos científicos é a oportunidade ideal para colocar em prática todo o conhecimento que é visto em sala de aula! Nem todas as experiências químicas são perigosas, e é possível aprender muito com essa matéria em casa, com materiais que nem imaginávamos. Conhecimento nunca é demais, principalmente quando é possível entender na prática o que acontece com a química. Mas importante: não se esqueça de sempre realizar os experimentos na presença de um adulto!

Experiência 1 – Balão

Ingredientes

  • Garrafa pet
  • Bexiga
  • Vinagre
  • Bicarbonato de sódio

Como fazer

Coloque vinagre em uma garrafa pet limpa. Dentro da bexiga, coloque algumas colheres de bicarbonato de sódio. Prenda o bico da bexiga no gargalo da garrafa de modo que o bicarbonato caia ali dentro. Veja a mágica acontecer… A bexiga se encherá sozinha! Ou melhor, por meio da reação química entre o vinagre e o bicarbonato.

Explicação

Essa experiência é baseada na reação entre ácido e base. O ácido do vinagre, também conhecido como ácido acético, reage com o bicarbonato de sódio, formando o ácido carbônico. Devido à reação, o ácido citado anteriormente se transforma em dióxido de carbono, o famoso CO2. É o CO2 liberado na reação que enche a bexiga.

Experiência 2 – Lâmpada de lava

Ingredientes

  • Pote transparente
  • Óleo
  • Água
  • Corante alimentício
  • Comprimido efervescente antiácido

Como fazer

Misture a água com o corante. Pegue o recipiente transparente, encha com a água com corante e o óleo: para cada medida de água deverá ser acrescentada duas de óleo. Quando a mistura estiver estável, ou seja, sem bolhas, deverá ser colocado o comprimido efervescente antiácido. O resultado é parecido com aquelas lâmpadas de lava. Fica bem legal!

Explicação

A primeira explicação para esse experimento é que a água e o óleo são uma mistura heterogênea, ou seja, apresentam mais de uma fase. O óleo é menos denso que a água, por isso fica na parte de cima quando ambos são misturados. Quando o efervescente antiácido é acrescentado, libera CO2 (gás carbônico), que como é mais leve que a água e que o óleo, “flutua”. Como está misturado à água, algumas partículas sobem com as bolhas do gás, dando assim o efeito de lâmpada de lava.

Experiência 3 – Areia movediça

Ingredientes

  • Recipiente de vidro
  • 1 caixa de amido de milho (maisena)
  • 2 copos de água

Como fazer

Em um recipiente de vidro, misture 3 copos de amido de milho e 1 de água por aproximadamente 5 minutos. Ao final, deve haver uma mistura homogênea grossa.

Explicação

Essa mistura age tanto quanto líquido, quanto como sólido. Isso acontece porque a mistura de amido de milho e água forma uma mistura conhecida como “não newtoniana”. Esse termo explica a  capacidade que o líquido (ou sólido) tem de acordo com a pressão que é exercida sobre ele. Quando sofre uma pressão grande, fica duro como se fosse sólido, já sem pressão alguma, fica líquido.

Experiência 4 – Pilha de limão

Ingredientes

  • 1  limão.
  • 1 moeda de 5 centavos.
  • 1 colchete de escritório ou 1 prego.
  • 2 fios elétricos com garra de jacaré.
  • Uma lâmpada pequena de LED.

Como fazer

Faça dois cortes no limão. Um deles servirá para o prego e o outro, para a moeda. Após feitos os cortes e inseridos os materiais no limão, é preciso conectar os fios com garras de jacaré em cada um dos metais, ou seja, no prego e na moeda. É utilizado um fio para cada metal, de modo que uma das extremidades de cada um fique livre. As pontas que ficaram livres, conecte à lâmpada de LED.

Explicação

Essa experiência é semelhante a uma pilha estudada em eletroquímica. As pilhas são definidas como uma reação espontânea, na qual a energia química se transforma em energia elétrica. O limão é um elemento eletrolítico, ou seja, possui cargas positivas e negativas. O prego perde elétrons (oxida) e a moeda age como o polo positivo que recebe elétrons. Assim como em uma pilha de verdade, o limão faz a função do eletrólito, e os metais, o papel de eletrodos, resultando na geração de energia.

Experiência 5 – Mudança instantânea de cor

Ingredientes

  • 40ml de água
  • 20ml de vinagre branco
  • 20ml de água oxigenada de 20 vol.
  • 1 comprimido de permanganato de potássio

Como fazer

Dissolva o comprimido de permanganato de potássio na água até que fique uma mistura homogênea. Adicione o vinagre e misture. O último passo é colocar a água oxigenada. Observe a mudança de cor que ocorre com os elementos.

Explicação

A mudança de cor ocorre devido à transformação que os elementos químicos sofrem depois de misturados. Essa alteração normalmente é resultado de reações em que há transferência de elétrons, formando assim cátions que alteram as cores originais de cada elemento.

A química é uma área da ciência que surpreende e fascina os alunos. Mesmo que ainda tenha muito o que ser descoberto, é possível viajar nesse mundo cheio de surpresas. As experiências científicas são uma ótima forma de se aprofundar nas matérias de maneira simples e divertida. Aprender não está resumido apenas à sala de aula, mas viagens, experiências e diversas outras maneiras alternativas de estudar também são sempre muito válidas!

Aqui estudar é poder!

Seu sonho é estudar em uma boa universidade? Venha para o COC! Aqui estudar é poder realizar. Acompanhe as notícias em nosso blog e aproveite todos os benefícios que o sistema COC de ensino pode trazer para os seus estudos. Saiba mais aqui!


Redimensiona.jpg

30 de março de 2017by Administrador0

Recentemente um comercial realizou um experimento com pais de alunos e mostrou os resultados do acompanhamento da família nos estudos de crianças e adolescentes. Enquanto os alunos do 4º ano realizavam uma prova, os pais estavam em outra sala e foram comunicados que realizariam a mesma prova. O vídeo mostra a reação de preocupação de alguns pais por não terem contato com os conteúdos há muito tempo.

O resultado: entre as melhores notas estavam os pais que revelaram estudar junto com as crianças. Isso não está relacionado com o nível de conhecimento dos pais, mas sim com o acompanhamento e atenção que dedicam aos estudos dos filhos.

A experiência traz à tona uma reflexão importante e sempre comentada no ambiente educacional: a importância da presença dos pais na vida escolar das crianças e adolescentes. Não se trata dos estudantes terem uma espécie de aula reforço com os pais, mas sim receberem acompanhamento, motivação e algumas cobranças necessárias.

Os estudos não se limitam as quatro paredes da sala de aula. Os alunos devem aproveitar ao máximo o período que passam na escola, mas o tempo de aprendizado se estende até em casa com revisões, pesquisas, lição de casa, preparo para provas, etc. Nesse processo, o incentivo e apoio dos pais é uma peça fundamental. Afinal, são eles que sempre estão em contato com os filhos e possuem um grande poder de influência para mostrar a importância da educação e o valor da escola para a vida deles.

Uma pesquisa identificou cinco perfis de pais brasileiros em relação a educação das crianças. A pesquisa entrevistou 2.002 responsáveis por alunos entre 4 e 17 anos, das redes públicas e privada de ensino.

Comprometidos: São os que mais se destacam na valorização escolar e no vínculo com a criança. Por exemplo, é o perfil que participa das reuniões e dos eventos escolares com maior assiduidade. Eles buscam informações sobre a escola, estabelecem parceria com outros pais e professores e apoiam os filhos na rotina.

Envolvidos: Os que praticam mais ações de valorização do que de vínculo e, portanto, destacam-se por acompanhar a rotina escolar do filho. Ao mesmo tempo, apresentam um ambiente familiar menos propício ao diálogo e um relacionamento menos próximo com a criança. Entre eles, 87% acreditam que, se a criança estudar, terá uma vida melhor que a dele e 79% conferem se o filho estudou para as provas.

Intermediários: São aqueles que obtiveram uma média de respostas, tanto em relação ao vínculo quanto à valorização. Os dados revelam que 70% conferem se o filho faz as lições de casa e 67% olham os cadernos, livros e apostilas.

Vinculados: Exibem um comportamento mais ligado ao vínculo com a criança do que com a valorização da Educação. São responsáveis que dialogam frequentemente com os filhos, mas não acompanham tão incisivamente a rotina escolar. Os dados mostram que 95% dos vinculados afirmam estar presentes nos momentos mais importantes da vida da criança.

Distantes: São os que apresentam o conjunto de respostas com grau mais baixo de vínculo e valorização. Esses entrevistados não se relacionam com outros pais e com a escola e dialogam pouco com as crianças e jovens. É o grupo que tem menor assiduidade nas reuniões e eventos escolares.

Fonte da pesquisa:

www.todospelaeducacao.org.br/reportagens-tpe/31839/pesquisa-revela-perfis-de-pais-em-relacao-a-educacao-dos-filhos